A Não Perder Entrevista Moda

Karl Lagerfeld: Um “talento maior do que a vida”

Morreu o Imperador da Moda. Falamos com a jornalista Patrícia Barnabé que o acompanhou em várias fases da sua carreira. Uma entrevista a ser lida a preto e branco.

De fato preto e gravata, óculos escuros e cabelo branco preso num rabo de cavalo, Karl Lagerfeld era instantaneamente reconhecível num mundo saturado de cores. A última vez que apareceu em público foi em dezembro, em Nova Iorque, num desfile da Chanel. Morreu ontem aos 85 anos.

O criador dedicou toda a sua vida à moda. Começou em 1955 como assistente de Pierre Balmain e dez anos depois juntou-se à Fendi. Em 1977 tornou-se o director criativo da Chloé e na década seguinte entra na Chanel – onde ficou 36 anos. Entretanto fundou a sua própria marca e colaborou com gigantes do mercado.

O The Panorama News falou com a jornalista Patrícia Barnabé que foi chefe de redação da Vogue Portugal durante mais de uma década. Acompanhou de perto as várias fases do designer e conta-nos o porquê de ele ser “one of a kind”. Uma entrevista a ser lida a preto e branco.

Qual foi o seu primeiro contacto com o trabalho de Lagerfeld?
Qualquer jovem fã de moda conhece Karl Lagerfeld desde sempre. Ele começou a dar nas vistas na Chloé, com os seus vestidos girly, mas foi na Chanel que quase todos nos apaixonámos irremediavelmente pelo kaiser e pelo seu talento maior do que a vida.

Lagerfeld e a top model Inès de la Fressange no estúdio da Chloé, em Paris, a 11 de abril de 1983. Foto: Pierre Vauthey

Alguma vez o chegou a entrevistar?
Não, nunca o entrevistei, ele era bastante reservado e distante da imprensa, e tenho pena, por todas as razões, principalmente pela sua inteligência e visionarismo. Vi-o mais do que uma vez nas festas de moda em Paris, com o seu look de assinatura a preto e branco, vi-o na sua versão mais forte e depois da sua dieta rigorosa, sempre rodeado de mulheres chiquérrimas. Lembro-me até de uma vez, numa festa num barco, em que a imprensa portuguesa estava a chegar, mas na iminência de ficar à porta, porque estava cheia, e a entrada de Karl Lagerfeld e dos seus amigos desbloquear a situação.

Os seus desfiles eram muito mais do que uma apresentação de roupas, eram uma experiência. Como foi assistir ao primeiro desfile?
Tenho dois momentos máximos na experiência de desfiles Chanel. Primeiro no prêt-à-porter, princípio dos anos zero, percebi que aquele era o desfile mais importante de Paris, ao qual ninguém relevante do mundo da moda no mundo faltava, dos principais designers às atrizes de Hollywood (entrevistei Olivier Theyskens nessa primeira vez, e Diane Kruger também, entre outros). E depois quando tive a sorte de assistir a um desfile de Alta Costura, curiosamente sentada entre os mestres artesãos da casa Chanel, dos Métier des Arts, como monsieur Lesage especialista nas rendas, e é entrar num mundo de suspensão de beleza que toca um nível estratosférico.

Na sua opinião, como é que ele deveria ser lembrado?
Ele deveria ser lembrado pela genialidade e persistência, claro, na direção criativa das coleções da casa Chanel onde desmultiplicou, anos a fio, os seus principais símbolos. Mas também pela inventividade dos seus desfiles, verdadeiros acontecimentos de moda e performance. Pelo visionarismo, ele esteve sempre à frente dos seus pares. E pela coragem, não só criativa, mas de discurso. Nunca teve medo de dizer o que pensa e isso é muito raro. Por isso, foi one of a kind. Para mim, ele simbolizará sempre o createur de moda por excelência, nessa irreverência e mania das grandezas e exigência absolutamente ímpares.

Lagerfeld era conhecido pelas suas tiradas. Qual a sua favorita?
Ui, são muitas, mas assim de repente gosto muito da que reporta à verdadeira essência intemporal e pessoal do estilo e quem trabalha em moda reconhece-o automaticamente: “trendy is the last stage before tacky”. E adoro outra, por questões pessoais: “sweatpants are a sign of defeat”, porque detesto fatos de treino e considero-os a linha final do bom gosto (o que quer que isso queira dizer ara muitos) e descreveu-se como um produto da total improvisação – acredito que os maiores e os mais geniais seguem mais o instinto do que qualquer outra coisa. E ele tinha-o, definitivamente. Aquele faro que não se aprende, tem-se, adoro isso.

Ele referia-se a si mesmo como uma “improvisação completa”. Assim foi a sua vida?
Não creio que a vida dele tivesse sido uma improvisação nesse sentido de se deixar ir mas, como refiro em cima, improvisação no sentido do instinto, de um certo faro para o bom, o moderno, o doido, o megalómano, o divertido, o chocante, o classy e o intemporal. Ele nunca perdeu a relevância. No fundo, a definição da própria moda. Claro que os grandes criativos vivem normalmente na sua bolha hipnótica das ideias e da estética e são maus gestores da sua vida pessoal no sentido clássico, até porque o mundo está pouco preparado para a sua modernidade. Mas até isso, para um homem tão racional como ele era, acho que foi uma escolha consciente.

Virgine Viard é a nova diretora criativa da Chanel – a primeira mulher desde a fundação da marca. O que se pode esperar deste novo capítulo?
Sendo o braço direito de Karl Lagerfeld, acredito que, tal como Sarah Burton fez depois da morte de Alexander McQueen, Virginie Viard vai continuar o legado do mestre. Pelo menos durante uns tempos, até porque é difícil dessacralizar Lagerfeld na Chanel. Mas acredito que a seu tempo poderemos ver do que ela é capaz, e será muito capaz decerto, porque o kaiser não brincava em serviço e o seu nível de exigência não era para medianias. Ela estagiou na casa Chanel já nos anos 80, por isso cresceu no seu ADN, e dirigiu a couture e depois o prêt-à-porter. Depois, tendo também escola na área do guarda-roupa para teatro e cinema, decerto puxará pelo lado mais fantasioso da marca, e isso é uma urgência para o moda dos tempos modernos.

0 comments on “Karl Lagerfeld: Um “talento maior do que a vida”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s