Cultura Teatro

Um elenco só de mulheres para o “Hamlet” em transgressão da Comuna

Um elenco só de mulheres garante o desempenho de “Hamlet”, a tragédia de Shakespeare que se estreia em 07 de fevereiro, no palco despojado da Comuna, em Lisboa, numa abordagem que o encenador Hugo Franco quis de “transgressão”.

“O ‘Hamlet’, porque é um clássico e porque sempre tive a ideia de o fazer desta forma, interpretado só por mulheres”, disse à Lusa Hugo Franco, explicando as razões da escolha: ver como desta forma são transmitidos os sentimentos de “ódio, vingança, amor e paixão”, numa obra em que toda a expressão é “quase em exclusivo dos homens”.

Num cenário despojado de qualquer elemento figurativo, marcado apenas pelo negro que envolve o palco e onde a luminosidade provém apenas do jogo de luzes, Hugo Franco construiu uma tragédia onde não sente faltar qualquer elemento de cenografia.

“Temos o necessário para fazer teatro. Temos um palco, as atrizes a representarem bem, a dizerem um texto maravilhoso que tem atravessados estes séculos todos. Por isso, está bem. Chega”, frisou.

Para o elenco, o encenador não se limitou a escolher uma mulher para protagonizar a peça – até porque isso já foi feito muitas vezes -, optando por um elenco todo feminino, também porque tinha curiosidade em ver como as mulheres podiam interpretar “o género”.

“HAMLET(a)”, com encenação de Hugo Franco, estreia a 7 de fevereiro

“Gostava muito de fazer o ‘Hamlet’ só com mulheres. Não só o ‘Hamlet’ feito por uma mulher, (…) todas as personagens do Hamlet representadas por mulheres”, por ser um texto que “retrata e relata muito bem a natureza humana”, mas em que os sentimentos, tanto negativos como positivos, são sempre transmitidos por homens, argumentou.

Questionado sobre se as mulheres acabam por interpretar esses sentimentos de forma diferente, Hugo Franco é perentório: “É”.

“É bastante diferente, mas eu pensava que ia ser mais”, observou, sublinhando que esses sentimentos “acabam por ser todos iguais, tanto em homens como mulheres”. “Não têm género. Têm só uma forma, uma forma de serem passados. De resto, acho que a essência é a mesma”, disse.

Um “Romeu e Julieta” protagonizado por seniores, com mais de 60 ou 65 anos, é algo que Hugo Franco confessou que gostava de fazer. “Para ver como se comportam os seniores a viver amores tão adolescentes”, invocou.

Maria Ana Filipe (Hamlet), Margarida Cardeal (Cláudio), Diana Costa e Silva (Polónio), Mónica Garnel (Horácio), Tânia Alves (Alertes), Lia Carvalho (Gertrudes) e Custódia Galego (Ofélia) são as intérpretes de “Hamlet”.

Hugo Franco usa a tradução de Sophia de Mello Breyner Andresen, o mesmo texto que o Teatro da Cornucópia estreou no Festival de Almada, em 2015. “Raras vezes um texto de teatro em tradução terá como este, e como matéria de trabalho para os actores, os valores estilísticos que nos habituámos a só reconhecer na poesia”, disse então o encenador Luís Miguel Cintra.

Com cenário de Hugo Franco e Renato Godinho, desenho de luz de Paulo Graça, figurinos de Rui Alexandre e coreografia de Alexandre Tavares, “Hamlet” vai estar em cena até 10 de março, com espetáculos de quarta-feira a sábado, às 21:00, e aos domingos às 16:00.

0 comments on “Um elenco só de mulheres para o “Hamlet” em transgressão da Comuna

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s