Mundo Tecnologia

Internet no Zimbábue parada depois de protestos contra preços dos combustíveis

O Zimbabué enfrentou esta sexta-feira uma “paragem total da internet”, após vários dias de violentos protestos contra a repressão das manifestações contra uma dramática subida dos preços dos combustíveis imposta pelo Governo.

Pessoas gravemente feridas foram conduzidas a um hospital da capital, Harare, depois de alegadamente terem sido agredidas pelas forças de segurança.

“O nosso país está a atravessar um dos períodos mais complicados da sua história”, considerou a Conferência Episcopal Católica do Zimbabué, numa declaração, lamentando a “intolerância” do Governo face à contestação e a incapacidade de controlar o colapso económico.

O acesso à internet e a aplicações de redes sociais populares, como o Facebook, Twitter e Whatsapp, tem sido bloqueada de forma intermitente, enquanto a maior empresa de telecomunicações do país, Econet, tem enviado aos clientes mensagens de texto reproduzindo a ordem governamental e declarando que a situação está “para além” da sua capacidade de controlo.

Uma queixa contra o bloqueio será analisada na segunda-feira em tribunal, disseram advogados do Zimbabué para os direitos humanos. Um proeminente pastor e ativista, acusado de subversão, enfrenta a possibilidade de passar 20 anos na prisão, sendo um das mais de 600 pessoas detidas esta semana.

Evan Mawarire, hoje presente a tribunal, disse ser “de partir o coração” ver o novo Governo, chefiado por Emmerson Mnangagwa, comportar-se como o antigo Presidente, Robert Mugabe. O ativista será novamente ouvido a 31 de janeiro, decidiu hoje a justiça.

A comunidade internacional tem apelado para a diminuição da violência, quando Mnangagwa se prepara para pedir mais investimentos no Fórum Económico Mundial, que decorre em Davos na próxima semana.

O escritório das Nações Unidas para os Direito Humanos disse hoje que é urgente que o Zimbábue pare com as medidas drásticas de repressão das manifestações e com intimidações porta-a-porta praticadas pelas forças de segurança.

Uma coligação de organizações de direitos humanos revelou hoje que pelo menos 12 pessoas foram mortas e 78 baleadas no Zimbábue na repressão dos protestos iniciados na segunda-feira contra o aumento do preço dos combustíveis.

Num comunicado citado pela agência noticiosa norte-americana Associated Press, o Foro de ONG de Direitos Humanos do Zimbábue indica igualmente que no mesmo contexto mais de 240 pessoas foram alvo de “agressão, tortura, tratamento desumano e degradante” e 466 foram detidas arbitrariamente ou de um modo que a coligação designa de “transgressões em massa”.

No passado sábado, o Presidente, Emmerson Mnangagwa, anunciou um aumento do preço do litro da gasolina de 1,38 para 3,31 dólares, mais do duplicando o seu custo.

A Confederação Sindical do Zimbábue convocou uma greve de três dias, que começou na segunda-feira seguinte, e os zimbabueanos vieram para as ruas manifestar-se contra a decisão e a crise económica que afeta o país.

0 comments on “Internet no Zimbábue parada depois de protestos contra preços dos combustíveis

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s