Cultura Entrevista Mundo

Escalar montanhas para quebrar estigmas

A Peaks for Change quer combater os estigmas contra as doenças mentais, a escalar os cumes mais altos do mundo. Hoje é a vez do monte Elbrus.

Escalar os Sete Cumes por uma causa solidária. O objectivo de Ema Dantas, emigrante portuguesa no Canadá, deu lugar à fundação Peaks for Change, em honra da mãe, já falecida, que sofreu de uma doença do foro mental.

Dantas está neste momento a dirigir-se para o mais alto cume da Europa, o Elbrus. Depois deste, ficam a faltar o Monte Evereste (Nepal), Aconcagua (Argentina), Denali (Alasca, Estados Unidos) e o Monte Kosciuszko (Austrália).

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Para quem não conhece o projecto Peaks for Change, pode explicá-lo?

Peaks for Change é uma instituição de caridade criada para ajudar aqueles que vivem com doença mental. O nosso objectivo é ajudar organização que providencie um apoio e cuidados directos ao paciente. E estamos a fazê-lo ao chamar atenção à ligação entre o exercício físico e uma melhor saúde mental.

Como começou

Queríamos contribuir para a nossa comunidade pela saúde mental, e eu também queria criar algo em homenagem à minha mãe.

Que causas, em específico, é que a Peaks for Change apoia? Em que doenças é que a instituição se foca? 

Nas doenças mentais e em terminar o estigma associado com as mesmas.

Este mês, vai escalar o Elbrus. O que pode dizer-nos sobre este desafio em particular? 

O monte Elbrus é a montanha mais alta da Europa. Estou a escalá-lo com a Alpine Ascents num grupo com mais 16 alpinistas. Se conseguir chegar ao topo será a minha terceira conquista. No Elbrus teremos de lidar com neve, gelo e tempo inclemente.

Houve algum momento, entre todas as vitórias que já conseguiu com este projecto, que teve um grande impacto em si? 

Sim, é óptimo ouvir pessoas virem ter comigo e falar em sobre suas lutas contra os seus problemas de saúde mental e ter a coragem de dizer que de facto sofrem destas doenças. Porque é apenas quando deixamos de ter medo do estigma que podemos progredir em tornar as vidas daqueles que sofrem com uma doença mental em algo melhor, e como consequência, talvez não tenhamos de perder tanta gente que amamos.

Qual é o objectivo, final, deste projecto? 

No presente, é escalar os sete cumes a favor do CAMH – Center for Addiction and Mental Health, em Toronto, Ontario, e gostaríamos de conseguir 700 mil dólares canadianos (cerca de 456 666,72 euros).

O que é mais difícil, escalar uma montanha, ou mudar mentalidades e acabar com estigmas? 

Mudar mentalidades sobre a saúde mental é muito mais difíceis do que escalar qualquer montanha. Terminar com estigmas é uma barreira enorme.

 

Cinco dicas para escalar uma montanha, de acordo com Ema Dantas. 

  1. Acredite em si mesmo e que é capaz de o fazer.
  2. Dê um passo de cada vez.
  3. Treine – tem de estar fisicamente activo ao ar livre e desfrutar da natureza.
  4. Vista-se de forma adequada.
  5. Quando pensa que não pode fazê-lo, respire fundo e diga “eu consigo fazer isto, Jesus está comigo!”

 

 

Pode acompanhar a escalada do Elbrus, através de um mapa pelo sistema GPS, aqui.

0 comments on “Escalar montanhas para quebrar estigmas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s